Rega para olival
menu
30.06.2020

A rega no olival

 

O olival tem sido, tradicionalmente, uma cultura de sequeiro. A elevada capacidade adaptativa e a resistência à falta de água da oliveira facilitaram sempre o seu cultivo em zonas secas. Actualmente, no entanto, muitos produtores optam por regar os olivais, pois o aumento de produção é significativo.

O momento em que as oliveiras mais necessitam de água é entre a pré-floração e a maturação. Para se dimensionar o sistema de rega é necessário conhecer as necessidades hídricas das plantas. Essas necessidades são dependentes da plantação (densidade, tamanho das copas); do tipo de solo e do clima, nomeadamente a evapotranspiração.

O olival de regadio caracteriza-se por compassos de plantação curtos e elevada produtividade.

O sistema de rega mais amplamente difundido para o olival é do tipo gota-a-gota, normalmente com tubos gotejadores com os emissores integrados. A rega por gotejamento permite uma maior eficiência de uso da água.

Os emissores devem ser escolhidos em função do tipo de solo e das necessidades hídricas.

O tubo gotejador deve ter gotejadores autocompensantes, ou seja, cujo caudal não varia com a gama de pressões de trabalho. A linha de rega deve permitir uma faixa de humidade tal que haja boa formação de bolbos húmidos para que as raízes tirem o melhor proveito da água aplicada.

Os olivais superintensivos, por exemplo, podem ser regados com tubo gotejador de 2.2 l/h e um espaçamento entre emissores de 75 cm. Os compassos de plantação podem ser de 4 x 1,35 m.

O sistema de bombagem é também um componente importante do sistema de rega, e deve ser adequado à fonte de água existente na propriedade e a partir da qual se pretenda regar.

Se a origem da água for uma charca, a bombagem pode ser do tipo submersível, instalada dentro da água, com recurso a uma jangada, ou de superfície, com tubagem de sucção.

Cada tipo tem as suas vantagens e inconvenientes, e devem ser escolhidos consoante o projecto em causa.

Uma boa manutenção é muito importante para que o sistema de bombagem permaneça nas suas melhores condições de trabalho.

A filtração é também uma parte fundamental do sistema de rega, pois serve para impedir o entupimento dos gotejadores. Os filtros devem ser escolhidos em função do tipo de água existente. Existem vários tipos, desde individuais manuais a complexas baterias de múltiplos corpos automáticos.

O sistema de rega do olival pode também ser automatizado, o que permite ao produtor optimizar o seu tempo e a sua rega instalada.

Existem no mercado variados programadores, que podem ser simples e controlar apenas válvulas de campo e bombagem ou ser mais completos e permitir até a leitura e controlo de pH e Ce (condutividade eléctrica). Pode ser centralizado todo o comando da instalação: bombas, filtros, fertirrega e válvulas de campo.

Um sistema de irrigação bem dimensionado e instalado permitirá ao produtor um controlo eficaz da água e fertilizantes aplicados na sua cultura, bem como um aumento na sua produtividade.