Magos realizou workshops na Frutitec-Hortitec, na Batalha
menu
08.03.2017

A Magos Irrigation Systems realizou um conjunto de workshops na Frutitec-Hortitec, na Batalha, sobre rega e novos sistemas de condução de framboesa e cerejeira, com a participação de investigadores do INIAV.


Dando continuidade à sua estratégia de partilha de conhecimento com os agricultores sobre soluções de rega, a Magos Irrigation Systems esteve presente na feira Frutitec-Hortitec, de 10 a 12 de Março, na Batalha, onde apresentou novidades, entre as quais a fita de rega D1000 com ActiveFlex™, a mais avançada tecnologia de rega gota-a-gota do mercado, do fabricante israelita Rivulis.


O gotejador da fita D1000 é flexível, cedendo à pressão aquando da passagem da água e voltando a fechar-se quando cada gota é libertada para o exterior. O design do labirinto no interior da fita foi pensado para evitar o entupimento, tanto por impurezas contidas na água da rega como provindas do exterior para o interior da fita.


A convite da Magos, Pedro Brás de Oliveira, do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), realizou uma palestra sobre “Fertirrega em Framboesa”. O investigador apresentou, entre outros, o sistema de produção de framboesa em substrato com lançamentos “long cane” e a produção precoce com variedades remontantes, métodos que contribuíram para aumentar o ciclo produtivo da framboesa em Portugal e que impulsionaram esta cultura, cujas exportações valeram 106 milhões de euros em 2016.


Ensaios realizados por Pedro Brás de Oliveira sobre o efeito de três níveis de azoto - 125, 175 e 225 mg N /L - na framboesa remontante da variedade Kweli, demonstram que o aumento da dose de azoto na fertirrega da cultura não aumenta substancialmente os níveis de matéria seca total das plantas, nem produz aumento significativo na produção por lançamento, no peso médio do fruto, nem na produção potencial da cultura.


Filipa Queirós, investigadora do polo de Alcobaça do INIAV, realizou uma palestra sobre “Novos sistemas de produção em Cerejeira”, cujo objetivo é a intensificação do pomar, com vista a aumentar a produção de cereja por hectare. O uso de porta-enxertos semi-ananicantes, a redução dos compassos de plantação e o uso de variedades mais precoces são alguns dos métodos preconizados que podem ajudar a que as cerejeiras atinjam a plena produção ao 7º ou 8º ano após a instalação do pomar. A intensificação do compasso de plantação e as novas formas de condução do pomar em eixo central, vaso espanhol ou Y-trellis obrigam a realizar uma poda que garanta a entrada de luz solar no interior da copa das árvores, essencial para o vingamento dos frutos e boa coloração dos mesmos.


Sónia Moreira, da empresa Espaço Visual, também a convite da Magos, realizou uma apresentação sobre projetos de investimento na exploração agrícola, no âmbito do PDR2020, sublinhando as novas regras e critérios de seleção das candidaturas.